::Caso Etiêne Santos Vargas Munhoz::

Leia também:
::Denúncia no Ministério Público::
::Abertura de sindicância::
::Laudo do IML::


No dia 02 janeiro de 2003 fui submetida a uma cirurgia de vesícula, e tive meu intestino perfurado. A partir daí começou meu calvário.

Tive infecção generalizada, pneumonia, derrame na pleura, fiquei em coma por vários dias e pela graça de Deus sobrevivi, porém ao acordar do coma, não andava e não falava. Fiquei 45 dias internada e durante este período fiz 6 cirurgias.

Ao sair, meu sofrimento continuou, pois o hospital responsável pelo meu caso não me deu a assistência necessária, e aí passamos a vender tudo que possuíamos a fim de pagar médicos, exames, medicação, táxi, etc...

Trabalhávamos como autônomos, não pude mais trabalhar, tornei-me sempre dependente de alguém por causa da minha saúde. Dependemos até hoje da ajuda de amigos e familiares.

Hoje minha situação é a seguinte: já fiz 8 cirurgias, ainda preciso fazer mais outra, estou perdendo a audição (terei que usar aparelho), fiquei com nódulos nas cordas vocais, problemas no músculo ocular, problemas na bexiga, tenho tonturas constantes, insônia, debilidade permanente, etc... enfim, muitas seqüelas.

Tenho que ser acompanhada constantemente por vários especialistas. Faço terapia visual, fonoterapia, etc...e tudo isto custa muito caro (principalmente as medicações. Tenho lutado na justiça, mas até agora nada consegui, nem mesmo qualquer ajuda de custo. Minha luta na justiça é contra o Hospital e os médicos que mutilaram minha saúde e mudaram a minha vida, da minha família, mas principalmente a de meus filhos e meu marido.

Dou graças a Deus por estar viva e espero ver justiça no meu caso para que outros não passem pelo que passei e tenho passado...

Etiêne Santos Vargas Munhoz

 

Home | O que é | O que fazer | Casos | Artigos | Álbum | Leis
2005 - 2016 - erromedico.org - Direitos Autorais Reservados - Webmaster: Vanderlei Oliveira